Logo ASP

Esporte e Lazer



Rivalidade renovada no clássico

Antônio Leudo

Invictos após o término da fase classificatória do primeiro turno da Série B1 do Campeonato Estadual, Goytacaz e Americano disputarão, hoje, uma vaga na final da Taça Santos Dumont. Considerado o mais importante do ano até aqui, o jogo marcado para as 19h, no estádio Ary de Oliveira e Souza, renova a rivalidade centenária, que por muito tempo ficou adormecida. Desde a véspera, já não se falava em outra coisa em Campos. Em meio ao cenário de expectativa para a semifinal, a Folha reuniu um torcedor fanático do Goyta e um do Cano, amigos de longa data, numa conversa recheada de lembranças, palpites e provocações sadias, além de um desejo comum: a paz no clássico.


Luis Augusto Santana, o “Coliseu”, cresceu aprendendo a amar o Goytacaz. Atualmente com 57 anos, sendo os últimos 25 alimentando o sonho de ver o Alvianil retornar à primeira divisão, ele procurar passar para os filhos e netos o que viveu desde a infância, marcada pelas tardes no Aryzão. O clássico é uma oportunidade para unir a família em torno da paixão em comum.


— Nasci e cresci no Goytacaz. Vivi minha infância no estádio da rua do Gás. Meu pai, meu tio e meu irmão jogaram lá, assim como eu. É uma tradição da família. Um jogo que me marcou muito foi exatamente um clássico com o Americano, que estava vencendo por 3 a 0, no final dos anos 1960. Nossa torcida já estava indo embora quando começou a virada. Ganhamos de 4 a 3, com um gol no finalzinho. Foi uma festa linda — contou Coliseu, que foi a todos os jogos do Goyta em casa nesta Série B1, além de um no Rio de Janeiro.


História parecida de amor por seu clube tem Juscelino Rocha, de 61 anos, com o Americano. Desde a adolescência, ele vive o clube diariamente, também por influencia familiar. “Com 15 anos, eu já torcia declaradamente para o Americano. Minha família era divida, mas um dos meus irmãos era torcedor fanático do Cano, e eu peguei esse fanatismo. Meu jogo marcante foi o da final da Taça Cidade de Campos de 1975, em que o Americano foi campeão com um gol de Paulo Roberto. Esse gol foi polêmico, teve uma confusão, porque algumas pessoas disseram que a bola não entrou. Mas entrou, a rede é que estava furada”, recordou Check, que é tio-avô do atual goleiro titular do Alvinegro, Patrick.


— Tenho um sobrinho que foi campeão pelo Goytacaz quando o time subiu para a primeira divisão pela última vez, em 1992. Hoje, a situação é inversa, porque o filho dele joga no Americano. Ele vai estar na arquibancada e tem a obrigação de torcer pelo Cano e pelo Patrick, que tem 20 anos e muito futuro pela frente, inclusive está invicto. Como que ele vai torcer contra o filho? — brincou.


Entre as lembranças da juventude e da época de auge dos rivais, logo surgiram os palpites para o clássico decisivo. “O Goytacaz é o favorito, porque vem num melhor momento. Mas o Americano sempre tira alguma coisa da cartola e dá a volta por cima. Torço para que seja um jogo sem briga. No campo, vamos vencer por 1 a 0, com um gol aos 47 minutos do segundo tempo”, disse Check. “Espero que seja um jogo de paz. Que os dois continuem invictos, o que é bom para a nossa cidade. Se der empate, não tem problema, não (risos)”, rebateu Coliseu, lembrando da vantagem do Goyta, que se classificará para a final em caso de igualdade no placar, já que foi o líder do Grupo B, enquanto o Americano avançou em segundo no Grupo A. Hoje à noite, Check e Coliseu estarão no estádio. Amigos, amigos, Goyta-Cano à parte.


Dono da casa, Goyta terá torcida maior


Apesar de existir um contrato prevendo que houvesse divisão igualitária de ingressos nos clássicos disputados no Aryzão, que também está servindo de casa para o Americano, um acordo decidiu que o Goytacaz, dono do estádio e mandante no duelo desta quarta, terá direito a 70% dos 5.800 ingressos colocados à venda, com os 30% restantes sendo destinados ao rival. A expectativa é de casa cheia.


Dono de um dos postos de venda, uma banca localizada na praça do Santíssimo Salvador, no Centro, Coliseu informou que, só no local, já haviam sido vendidos mil ingressos até o começo da tarde de ontem. Também há vendas nas bilheterias do Aryzão, outro ponto bastante movimentado, e na loja do Americano. Os ingressos custam R$ 20, cada.


Destaques podem fazer a diferença


Embora as escalações provavelmente só sejam divulgadas alguns minutos antes da bola rolar, as duas torcidas têm suas referências nos elencos. No Goytacaz, por exemplo, Oliveira, Luquinha e Igor formam o trio de ataque que vem dando trabalho aos adversários. Os dois primeiros foram poupados pelo técnico Paulo Henrique na última rodada da primeira fase, quando a equipe já entrou em campo classificada e empatou por 0 a 0 com o Gonçalense, em São Gonçalo. O zagueiro Edson, o lateral-esquerdo Almir e os meias Jefinho, Gabriel Galhardo e Leandro Cruz também não atuaram na ocasião. O goleador Igor, por sua vez, é a principal referência do grupo, com cinco gols já marcados, brigando pela artilharia da Série B1.


Do lado do Americano, um dos homens de confiança do treinador Duílio Dias é o zagueiro Espinho, que alcançará uma marca histórica contra o Goytacaz. A semifinal da Taça Santos Dumont será a centésima partida do jogador de 26 anos com a camisa alvinegra. “É um grande jogador, oriundo da casa”, comentou o torcedor Check. O volante Abuda e os atacantes Jairo Paraíba e Nunu também têm feito boas atuações e podem fazer a diferença no clássico.

-------------------------------------------------
folha1
http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/07/esporte/1221551-rivalidade-renovada-no-classico.html

Mais Notícias

AGORA É LEI: CLUBES SERÃO PUNIDOS POR RACISMO DE TORCIDAS NOS ESTÁDIOS

Tite faz três mudanças na seleção para jogo com a Bolívia

Paulo Henrique renova com Goytacaz para o Campeonato Estadual de 2018

Uruguai confirma reunião com Argentina e Paraguai sobre sediar a Copa de 2030

Goyta é campeão com empate

Goytacaz tem grande atuação, e com gol de Luan, vence o America no Giulite

Neymar concorre ao prêmio de melhor do mundo com CR7 e Messi

Após seguidos erros, CBF confirma árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro

COI confirma sedes das Olimpíadas de 2024 e 2028

Roxinho apresenta três reforços para a sequência da Série C Estadual

Chapecoense enfrenta Roma no Olímpico e se reúne com Papa

Seleção treina em Porto Alegre para jogo com Equador

Jovem francês veste camisa que era de Neymar na apresentação no Barcelona

Americano e Goytacaz ficam no empate

Zé Ricardo se despede do Flamengo com agradecimentos em nota oficial

Rodrigo Melo é o grande vencedor da Prova Ciclística de São Salvador

Campos empata fora com o Casimiro de Abreu

Confira a programação do mês de agosto no Teatro Municipal Trianon

Internacional usará camisa com #ForçaAbel em jogo contra o Goiás, pela Série B

Revista coloca Neymar entre os 100 melhores jogadores da história do futebol

Festival de Montreux é o destaque do Jazz Livre!

Chegada de Diego Alves ao Fla ferve a web, e goleiro salva até o macaco do Latino em meme

Capoeiristas de Campos conquistam troféu e quatro medalhas em Paraty

De férias no Brasil, lateral Marcelo, do Real Madrid, ganha homenagem no bairro onde estudou

Bandeira de Mello é denunciado por gesto obsceno e pode ser expulso do clube

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas