Logo ASP

Notícias



Ministério Público pede bloqueio de bens de José Junior, do Afroreggae

Divulgação

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou ação civil pública (ACP) contra o Grupo de Ação Social Afroreggae, por improbidade administrativa. A ação foi feita por meio da 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital e atinge também a ex-secretária de Estado de Educação (Seeduc) Tereza Porto e a servidora pública Mônica Reis Marzano.


O Ministério Público também requereu a indisponibilidade dos bens dos demandados, incluindo José Junior, fundador da ONG, e penhora on line, no valor de R$ 2 milhões, de todas e quaisquer contas bancárias deles. A ação aponta duplicidade de plano de trabalho em convênios celebrados entre a Seeduc e o Afroreggae, em 2009, bem como a escolha direta do grupo de ação social, “com dispensa de processo seletivo entre entidades sociais que realizem atividades compatíveis com o objeto do convênio, além da ausência das atividades previstas no objeto do contrato”.


O MPRJ ressalta, no despacho, que a ex-secretária Tereza Porto assinou, em 2010, termo aditivo ao convênio com o Afroreggae, com o objetivo de remanejar dos valores direcionados ao Projeto Papo Responsa, em razão de estar sendo executado em outro convênio. Na avaliação da juíza, o fato “demonstra a falta de planejamento e zelo com o patrimônio público, evidenciado o desperdício do dinheiro público em valor equivalente a R$ 165 mil”.


Para o ministério, os planos de trabalho apresentados para o convênio e seu aditivo foram insuficientes, em razão da ausência de fixação de metas a serem atingidas, tais como o número de palestras, oficinas, a carga horária, entre outras especificações.


“A indicação somente das escolas e a quantidade de alunos a serem contemplados com o objeto do convênio não atendeu aos requisitos mínimos legais, que prevêem a necessidade de cronograma-físico e financeiro com o detalhamento de todas as atividades a serem desempenhadas e o custo unitário de cada atividade, na forma da lei”.


A avaliação que consta na ação civil pública da 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital é de que o referido convênio, que tinha como objeto promover ações de inclusão social e redução da violência aos alunos da rede em áreas de risco social “gerou enriquecimento ilícito do Afroreggae”. Ações socioculturais iriam possibilitar a inclusão social de jovens em idade escolar,


No entendimento do ministério, a funcionária Mônica Reis Marzano, da Secretaria de Estado de Educação, gestora do convênio, com a função de fiscalizar os trabalhos, “apresentou prestação de contas sem comprovar o custo unitário de cada atividade executada, além de ter deixado de informar a ausência de prestação das atividades previstas no objeto do documento, contribuindo, assim, para o enriquecimento ilícito”.


Amigo e parceiro de trabalho do apresentador Luciano Huck e do economista Armínio Fraga, José Junior foi um dos principais apoiadores do senador Aécio Neves (PSDB) no Rio de Janeiro durante a campanha de 2014 à Presidência da República.

-------------------------------------------------
jbonline
http://www.jb.com.br/rio/noticias/2017/08/07/ministerio-publico-pede-bloqueio-de-bens-de-jose-junior-do-afroreggae/

Mais Notícias

Presidente da Fecomércio-RJ é acusado de desviar R$ 10 milhões

Crivella faz piada com chuvas: Em São Paulo vão lançar o 'Balsa Família'

STF julgará em março validade do auxílio-moradia para juízes

Rafael Diniz em Brasília com o presidente da Câmara dos Deputados

MP vai investigar Crivella por omissões e falhas em planejamento do Carnaval

Novo Dia D contra Febre Amarela no estado será no primeiro sábado de março

Protesto contra reforma paralisa 33 plataformas da Bacia de Campos

Aposentados e pensionistas do INSS têm até fevereiro para comprovar vida

Valor do pedágio na rodovia BR-101 sofre reajuste a partir deste sábado

Saiba quem é o general que comandará a intervenção federal no Rio

Ministro diz que violência no carnaval no Rio foi inaceitável e promete ajuda

Rio teve mais de 7 mil raios em quatro horas de temporal

Rodoviários da São Salvador paralisam atividades novamente

Parte da ciclovia Tim Maia desaba após forte chuva que atingiu o Rio

Dom Fernando Arêas Rifan em encontro com Papa Francisco no Vaticano

Walmart e Hortifruti garantem que vão funcionar no domingo de Carnaval

OPERADORAS DE TV POR ASSINATURA E INTERNET DEVERÃO TER LOJAS FÍSICAS NAS CIDADES EM QUE ATUAM

Bancos fecham durante o Carnaval e só reabrem na quarta de cinzas

AGU diz que auxílio-educação de R$ 3.535 a promotores do MP-RJ é desproporcional

TJ do Rio dispensa terno e gravata para advogados no verão

Operação Caixa d’água: começa a audiência em que casal Garotinho é réu

Motoristas de carros alegóricos vão passar pelo teste do bafômetro antes dos desfiles de carnaval do Rio

Luiz Fux toma posse hoje na presidência do TSE

Correios reajustam preço do serviço de despacho postal a partir de hoje

Justiça Federal retoma julgamento de processo sobre sítio de Atibaia

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas