Logo ASP

Notícias



Mulher de Cabral fez 11 compras de joias, maioria sem nota fiscal, diz delatora

ABr
Adriana Ancelmo fez 11 compras de joias, quase todas sem nota fiscal

Adriana Ancelmo fez 11 compras de joias, quase todas sem nota fiscal

A ex-primeira-dama do Rio de Janeiro, Adriana Ancelmo, fez 11 compras de joias, quase todas sem nota fiscal, sempre de forma discreta, geralmente pagas em dinheiro vivo. A informação foi divulgada nesta terça-feira (19) pela diretora comercial da joalheria H.Stern, Maria Luiza Trotta, durante depoimento ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, que concentra os casos relativos à Operação Lava Jato e seus desdobramentos no Rio.


Maria Luiza fez acordo de delação premiada, juntamente com os proprietários da empresa, que também foram ouvidos por Bretas, como testemunhas de acusação contra o ex-governador Sergio Cabral, Adriana e outros envolvidos.


A diretora da H.Stern disse que conheceu Adriana em 2009 e que passou em 2012 a fazer vendas diretamente à então primeira-dama, que era exigente e comprava joias de alto valor, como um par de brincos de R$ 1,8 milhão e outro par de brincos de R$ 1,2 milhão. Segundo ela, os pagamentos eram em dinheiro vivo e passaram a ser feitos na tesouraria da empresa.


O presidente da joalheria, Roberto Stern, disse que o total de compras do casal Adriana e Cabral chegava a R$ 6 milhões e que os certificados de autenticidade das joias não apresentavam o nome dos compradores, para garantir sigilo. Também foram ouvidos o vice-presidente do grupo, Ronaldo Stern, e o ex-diretor financeiro, Oscar Stern. Todos reiteraram que a quase totalidade das vendas a Cabral e Adriana foram feitas sem emissão de nota fiscal e de forma sigilosa.


A defesa de Adriana divulgou nota lamentando que os diretores da H.Stern tenham faltado com a verdade, “a fim de manter seus prêmios obtidos com delação em que inventaram fatos”. A defesa de Cabral também escreveu nota criticando o fato de que as provas do processo tenham sido extraídas apenas da memória da diretora comercial da joalheria, já que em boa parte dos documentos originais não constava os nomes de Adriana e Cabral: “Com as oitivas, ficou claro que nem o presidente da empresa e nem os seus diretores sabiam do que se passava nas operações de compra e venda de joias”.


O juiz Marcelo Bretas deve divulgar em breve, possivelmente nesta quarta-feira (20), a sentença do ex-governador Cabral e outras pessoas envolvidas na Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato no Rio.

-------------------------------------------------
jbonline
http://www.jb.com.br/rio/noticias/2017/09/20/mulher-de-cabral-fez-11-compras-de-joias-maioria-sem-nota-fiscal-diz-delatora/

Mais Notícias

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão

Governo antecipa metade do 13º para aposentados e pensionistas do INSS

Justiça garante sessão extraordinária da Câmara que apreciará contas de Rosinha

Vistoria itinerante do Detran em Campos

Supremo confirma pensões para filhas de servidores civis solteiras e maiores de 21 anos

Desconto para previdência volta a ser de 11% assim que Estado do Rio for notificado de decisão

Café da Comunhão' leva a três pedidos de afastamento protocolados

Justiça determina bloqueio de R$ 22 milhões na conta da Prefeitura de Campos

Trânsito de Campos conta com agentes educadores em pontos estratégicos

Lava Jato deflagra no Rio desdobramento da ‘Operação Fatura Exposta’

Começa nesta quarta-feira 59ª ExpoAgro de Campos

Motorista de van protestam contra alteração prevista para o transporte alternativo

Júri do caso Patrícia Manhães será nesta quarta-feira

Eike Batista é condenado a 30 anos por corrupção e lavagem de dinheiro

Com quase 2 mil casos, Prefeitura decreta epidemia de Chikungunya em Campos

Supremo mantém fim do imposto sindical obrigatório

Alerj aprova reposição salarial de 5% para servidores do TJ-RJ, do MP e da Defensoria

STF manda inquéritos para Justiça Federal

AGORA É LEI: LINHAS TELEFÔNICAS DEVEM SER DESBLOQUEADAS EM ATÉ 24 HORAS APÓS PAGAMENTO

AGORA É LEI: SACOLAS PLÁSTICAS DESCARTÁVEIS SERÃO PROIBIDAS NO ESTADO

Prédio histórico no Centro de Campos ameaça desabar e trânsito é interditado nas imediações

Lula recorre contra decisão do TRF-4 que barrou recurso ao Supremo

Campos é a única cidade do Estado a ter autódromo

Brasil pode se tornar grande exportador de petróleo, diz executivo

Servidor público federal não pode ser gerente ou administrador de empresa privada

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas