Logo ASP

Notícias



Polícia desarticula grupo que visava fraudar o Enem e lucrava com fraudes

Reprodução/TV Globo

Uma operação da Polícia Civil do Distrito Federal e de Goiás tem como alvos 33 suspeitos com a intenção de fraudar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), de acordo com os investigadores. Entre eles, 15 são de Brasília, e 18 de Goiânia. A Justiça autorizou, na manhã desta segunda-feira, buscas em 16 endereços ligados aos suspeitos, em cinco regiões do DF e em Goiânia, além do cumprimendo de cinco prisões preventivas, três temporárias (de 30 dias) e oito conduções coercitivas, para esclarecimentos na delegacia da capital federal.


Há buscas relacionadas a todos os alvos, incluindo um dos chefes do bando que fraudava provas e que é ex-funcionário do então Centro de Promoção e Seleção de Eventos (Cespe) – atual Cebraspe, segundo adiantou o "Bom dia Brasil", da TV Globo. Outro alvo da polícia é um aliciador, cuja função era se aproximar de concurseiros na porta de cursinhos, buscando encaminhá-los para os principais articuladores envolvidos no esquema.


Os investigadores afirmaram que o ex-funcionário teria movimentado mais de R$ 1 milhão em recebimento de propina de interessados em passar em vestibulares e concursos, apenas em 2016. O valor do pagamento variava entre R$ 5 mil e R$ 20 mil de entrada. Com a aprovação do candidato, a propina podia render até R$ 100 mil ao grupo, sendo que a quantia dependia da remuneração prevista no edital. A investigação indica que mais de cem pessoas possam ter se beneficiado da fraude, em todo o país.


Quando esse suspeito foi intimado a depor, em Goiânia, em março deste ano, a polícia estava começando a desmontar o esquema. Na época, ele foi demitido. Sua responsabilidade era a digitalização das provas e das folhas de respostas. Segundo os investigadores, é possível que ele estivesse participando do grupo criminoso desde 2013.


Os suspeitos vão responder por formação de organização criminosa, fraude a certame licitatório, falsidade ideológica e, em alguns casos, lavagem de dinheiro. Até a conclusão da reportagem, o Cebraspe e o Ministério da Educação não haviam respondido.


Embora eles tenham começado a atuar em parceria com Hélio Garcia Ortiz, apontado pelos investigadores como o chefe do grupo, decidiram atuar sozinhos. Ortiz, por sua vez, foi preso em agosto deste ano, sob a suspeita de integrar a "Máfia dos Concursos". No entanto, não foi a primeira vez que ele foi responsabilizado pelo crime. Em 2005, Ortiz foi detido pela Deco na Operação Gallieu.


O filho dele, Bruno de Castro Garcia Ortiz, foi preso há dois meses, assim como outros integrantes, como Rafael Rodrigues da Silva Matias e Johann Gutemberg dos Santos, sendo que este foi solto por determinação judicial e responde ao processo em liberdade.


A investigação é a segunda fase da operação Panoptes, deflagrada pela Divisão Especial de Combate ao Crime Organizado (Deco), da Policia Civil do DF. No Distrito Federal, a ação ocorre nas seguintes regiões: Recanto das Emas, Sudoeste, Vicente Pires, Guará e Águas Claras. Já na capital goiana, é coordenada pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra a Administração Pública (Dercap), onde a polícia investiga fraude em concurso para delegado.

-------------------------------------------------
extraonline
https://extra.globo.com/noticias/educacao/policia-desarticula-grupo-que-visava-fraudar-enem-lucrava-com-fraudes-22008302.html

Mais Notícias

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão

Governo antecipa metade do 13º para aposentados e pensionistas do INSS

Justiça garante sessão extraordinária da Câmara que apreciará contas de Rosinha

Vistoria itinerante do Detran em Campos

Supremo confirma pensões para filhas de servidores civis solteiras e maiores de 21 anos

Desconto para previdência volta a ser de 11% assim que Estado do Rio for notificado de decisão

Café da Comunhão' leva a três pedidos de afastamento protocolados

Justiça determina bloqueio de R$ 22 milhões na conta da Prefeitura de Campos

Trânsito de Campos conta com agentes educadores em pontos estratégicos

Lava Jato deflagra no Rio desdobramento da ‘Operação Fatura Exposta’

Começa nesta quarta-feira 59ª ExpoAgro de Campos

Motorista de van protestam contra alteração prevista para o transporte alternativo

Júri do caso Patrícia Manhães será nesta quarta-feira

Eike Batista é condenado a 30 anos por corrupção e lavagem de dinheiro

Com quase 2 mil casos, Prefeitura decreta epidemia de Chikungunya em Campos

Supremo mantém fim do imposto sindical obrigatório

Alerj aprova reposição salarial de 5% para servidores do TJ-RJ, do MP e da Defensoria

STF manda inquéritos para Justiça Federal

AGORA É LEI: LINHAS TELEFÔNICAS DEVEM SER DESBLOQUEADAS EM ATÉ 24 HORAS APÓS PAGAMENTO

AGORA É LEI: SACOLAS PLÁSTICAS DESCARTÁVEIS SERÃO PROIBIDAS NO ESTADO

Prédio histórico no Centro de Campos ameaça desabar e trânsito é interditado nas imediações

Lula recorre contra decisão do TRF-4 que barrou recurso ao Supremo

Campos é a única cidade do Estado a ter autódromo

Brasil pode se tornar grande exportador de petróleo, diz executivo

Servidor público federal não pode ser gerente ou administrador de empresa privada

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas