Logo ASP

Notícias



Cultura em movimento contra manifestação de racismo por alunos do IFF

Antônio Leudo
Manifestação no IFF Manifestação no IFF

Manifestação no IFF

Com cartazes, instrumentos musicais e danças africanas, alunos e professores do campus Centro do Instituto Federal Fluminense (IFF) e de diversos campi de institutos federais do Maranhão usaram de uma manifestação da cultura afro-brasileira para se reunirem em um ato contra o racismo na manhã desta quinta-feira (9), na instituição de ensino campista. O ato aconteceu após estudantes maranhenses terem sido vítimas de preconceito racial durante a realização do III Encontro Nacional de Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi), que acontece em Campos.


A comitiva do Maranhão chegou à sede do IFF Centro na última segunda-feira (6) para apresentação de trabalhos no evento. A impressão inicial do grupo foi de encantamento com a estrutura do instituto. Mas, no dia seguinte, começaram os problemas. No ônibus em que chegaram os maranhenses, foram riscadas provocações aos estudantes e professores do Nordeste. "Aqui tem água" e "#melava" foram algumas das frases escritas no veículo.


Desde então, os atos ficaram mais graves. Nessa quarta-feira (8), no campus Guarus do IFF, os alunos foram chamados de macumbeiros após a apresentação de um trabalho. Também na quarta, estudantes do campus Centro fizeram gestos simulando o comportamento dos macacos, para ridicularizar os colegas nordestinos. E, à noite, o grupo foi informado de que não havia mais comida disponível para eles.


— Falaram que não tinham mais o alimento. E, quando um foi um pouco mais tarde, o alimento foi encontrado. Isso foi o que mais nos revoltou. Nós fizemos uma discussão ali, mostramos que estávamos indignados porque não dava mais para ficar calado. Uma coisa é você cometer uma vez e se conscientizar, outra coisa é você continuar com aquele ato. Estamos aqui como profissionais. Somos estudantes, pesquisadores. O que queríamos era ser bem recebidos, mas não foi o que aconteceu — relatou o maranhense Fabrício Joseph Dias Costa, de 15 anos.


De acordo com o adolescente, que cursa o ensino médio, o grupo veio para Campos com o objetivo de apresentar um projeto que visa "quebrar todos os estereótipos lançados pela sociedade":


— E, quando chegamos, fomos alvo de xenofobia, que é um mal terrível. Mas não parou por aí. Fomos vítimas de racismo, preconceito, homofobia. O que nós queríamos? Queríamos trazer a proposta de dizer a todos os estados em que estamos passando para deixarem de praticar esses atos. Jovens ficaram tristes ao receberem essas críticas. Nós passamos mais de três meses elaborando o projeto, para sermos recebidos dessa forma. Já nos manifestamos, como ato de revolta. Sabemos os nossos direitos. Viemos para cá para tentar valorizar nossa sociedade e somos alvo de algo que não tem explicação, de algo que é desprezível. Nós somos negros, mas não temos vergonha de quem somos. Reconhecemos nosso valor. Vários jovens queriam ir embora antes de terminar o projeto porque se sentiram humilhados – acrescentou o estudante.


As atitudes dos estudantes do campus Centro, no entanto, não representam todo o corpo discente da unidade de ensino. Atriz, professora e aluna do curso de licenciatura em Teatro, Adriana Medeiros disse estar envergonhada e pediu, aos maranhenses, desculpas em nome do município:


— Às vezes, a gente acha que essa história ficou lá atrás. E o que estamos vendo, na verdade, é um retrocesso muito grande. Quando eu cheguei ao IFF, ontem, não sabia. Eu fui ver o que tinha acontecido e presenciei algumas coisas. Eles estavam muito comovidos e destruídos psicologicamente. Os maranhenses são brilhantes. São pessoas esclarecidas politicamente. A humilhação que essas crianças passaram no campus, humilhação causada por outros alunos, eu, sinceramente, não consigo entender. Minha sensação é de que fui humilhada também, porque sou negra, mulher, artista e candomblecista. Ser chamado de macumbeiro é simplesmente o outro não ter a menor noção do que está falando. Macumba é um instrumento. Nós somos candomblecistas ou umbandistas. Essa é nossa fé. Tocam no nosso sagrado como se fosse uma coisa abominável. Estou cansada. Estou com eles no ato de resistência, tentando entender o tamanho da boçalidade dessa elite medíocre, que, se fosse elite de fato, não teria esse tipo de arrogância.

-------------------------------------------------
folha1
http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/11/geral/1226904-cultura-em-movimento-contra-manifestacao-de-racismo-por-alunos-do-iff.html

Mais Notícias

Garotinho abre guerra contra desembargador que compartilhou entrevista de Witzel

Boletos vencidos já podem ser pagos em qualquer banco

Detran mantém emplacamento após Justiça suspender adoção do novo modelo do Mercosul

Não usar cadeirinha é um risco para pais e crianças, alertam especialistas

AGORA É LEI: NORMA QUE ESTABELECE TEMPO MÁXIMO DE ESPERA EM ATENDIMENTOS BANCÁRIOS E...

Fim de semana prolongado com dois feriados

Brinquedos aquecem as vendas

'Engenheiro' misterioso usa tampas de caixas d’água em ponto de ônibus em Acari

Witzel e Paes são favoráveis a ‘testes de integridade’ sobre servidores públicos

NÍVEL DO PARAÍBA GERA PREOCUPAÇÃO

Mais da metade da Alerj foi renovada nesta eleição

Wilson Witzel e Eduardo Paes farão segundo turno para governo do Rio

Brasil: depois dos eleitores, investidores aplaudem Bolsonaro

Alerj: João Peixoto, Gil Vianna, Rodrigo Bacellar, Bruno Dauaire e Jair Bittencourt eleitos

AUXÍLIO-ADOÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS PODE SER AMPLIADO

Estado do Rio nomeia 79 papiloscopistas que aguardavam chamada para Polícia Civil

Uenf sobe 13 posições no Ranking Universitário nacional

Eleição 2018: Confira seu local votação após modificações do TRE

Juiz eleitoral de Campos orienta sobre regras para o dia da votação; confira

Facebook revela ataque virtual que atingiu 50 milhões de usuários

Há 100 anos, tomava posse a primeira mulher diplomata do país

Garotinho diz que vai recorrer hoje mesmo ao STF para manter campanha

Representantes da Firjan se reúnem com Autopista para pedir mais segurança na BR101

Após agravo de servidores, Rio tenta manter decisão do STF favorável a desconto de 14%

Estimativa para a inflação deste ano sobe para 4,28% e a do PIB cai para 1,35%

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas