Logo ASP

Notícias



Cultura em movimento contra manifestação de racismo por alunos do IFF

Antônio Leudo
Manifestação no IFF Manifestação no IFF

Manifestação no IFF

Com cartazes, instrumentos musicais e danças africanas, alunos e professores do campus Centro do Instituto Federal Fluminense (IFF) e de diversos campi de institutos federais do Maranhão usaram de uma manifestação da cultura afro-brasileira para se reunirem em um ato contra o racismo na manhã desta quinta-feira (9), na instituição de ensino campista. O ato aconteceu após estudantes maranhenses terem sido vítimas de preconceito racial durante a realização do III Encontro Nacional de Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi), que acontece em Campos.


A comitiva do Maranhão chegou à sede do IFF Centro na última segunda-feira (6) para apresentação de trabalhos no evento. A impressão inicial do grupo foi de encantamento com a estrutura do instituto. Mas, no dia seguinte, começaram os problemas. No ônibus em que chegaram os maranhenses, foram riscadas provocações aos estudantes e professores do Nordeste. "Aqui tem água" e "#melava" foram algumas das frases escritas no veículo.


Desde então, os atos ficaram mais graves. Nessa quarta-feira (8), no campus Guarus do IFF, os alunos foram chamados de macumbeiros após a apresentação de um trabalho. Também na quarta, estudantes do campus Centro fizeram gestos simulando o comportamento dos macacos, para ridicularizar os colegas nordestinos. E, à noite, o grupo foi informado de que não havia mais comida disponível para eles.


— Falaram que não tinham mais o alimento. E, quando um foi um pouco mais tarde, o alimento foi encontrado. Isso foi o que mais nos revoltou. Nós fizemos uma discussão ali, mostramos que estávamos indignados porque não dava mais para ficar calado. Uma coisa é você cometer uma vez e se conscientizar, outra coisa é você continuar com aquele ato. Estamos aqui como profissionais. Somos estudantes, pesquisadores. O que queríamos era ser bem recebidos, mas não foi o que aconteceu — relatou o maranhense Fabrício Joseph Dias Costa, de 15 anos.


De acordo com o adolescente, que cursa o ensino médio, o grupo veio para Campos com o objetivo de apresentar um projeto que visa "quebrar todos os estereótipos lançados pela sociedade":


— E, quando chegamos, fomos alvo de xenofobia, que é um mal terrível. Mas não parou por aí. Fomos vítimas de racismo, preconceito, homofobia. O que nós queríamos? Queríamos trazer a proposta de dizer a todos os estados em que estamos passando para deixarem de praticar esses atos. Jovens ficaram tristes ao receberem essas críticas. Nós passamos mais de três meses elaborando o projeto, para sermos recebidos dessa forma. Já nos manifestamos, como ato de revolta. Sabemos os nossos direitos. Viemos para cá para tentar valorizar nossa sociedade e somos alvo de algo que não tem explicação, de algo que é desprezível. Nós somos negros, mas não temos vergonha de quem somos. Reconhecemos nosso valor. Vários jovens queriam ir embora antes de terminar o projeto porque se sentiram humilhados – acrescentou o estudante.


As atitudes dos estudantes do campus Centro, no entanto, não representam todo o corpo discente da unidade de ensino. Atriz, professora e aluna do curso de licenciatura em Teatro, Adriana Medeiros disse estar envergonhada e pediu, aos maranhenses, desculpas em nome do município:


— Às vezes, a gente acha que essa história ficou lá atrás. E o que estamos vendo, na verdade, é um retrocesso muito grande. Quando eu cheguei ao IFF, ontem, não sabia. Eu fui ver o que tinha acontecido e presenciei algumas coisas. Eles estavam muito comovidos e destruídos psicologicamente. Os maranhenses são brilhantes. São pessoas esclarecidas politicamente. A humilhação que essas crianças passaram no campus, humilhação causada por outros alunos, eu, sinceramente, não consigo entender. Minha sensação é de que fui humilhada também, porque sou negra, mulher, artista e candomblecista. Ser chamado de macumbeiro é simplesmente o outro não ter a menor noção do que está falando. Macumba é um instrumento. Nós somos candomblecistas ou umbandistas. Essa é nossa fé. Tocam no nosso sagrado como se fosse uma coisa abominável. Estou cansada. Estou com eles no ato de resistência, tentando entender o tamanho da boçalidade dessa elite medíocre, que, se fosse elite de fato, não teria esse tipo de arrogância.

-------------------------------------------------
folha1
http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/11/geral/1226904-cultura-em-movimento-contra-manifestacao-de-racismo-por-alunos-do-iff.html

Mais Notícias

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão

Governo antecipa metade do 13º para aposentados e pensionistas do INSS

Justiça garante sessão extraordinária da Câmara que apreciará contas de Rosinha

Vistoria itinerante do Detran em Campos

Supremo confirma pensões para filhas de servidores civis solteiras e maiores de 21 anos

Desconto para previdência volta a ser de 11% assim que Estado do Rio for notificado de decisão

Café da Comunhão' leva a três pedidos de afastamento protocolados

Justiça determina bloqueio de R$ 22 milhões na conta da Prefeitura de Campos

Trânsito de Campos conta com agentes educadores em pontos estratégicos

Lava Jato deflagra no Rio desdobramento da ‘Operação Fatura Exposta’

Começa nesta quarta-feira 59ª ExpoAgro de Campos

Motorista de van protestam contra alteração prevista para o transporte alternativo

Júri do caso Patrícia Manhães será nesta quarta-feira

Eike Batista é condenado a 30 anos por corrupção e lavagem de dinheiro

Com quase 2 mil casos, Prefeitura decreta epidemia de Chikungunya em Campos

Supremo mantém fim do imposto sindical obrigatório

Alerj aprova reposição salarial de 5% para servidores do TJ-RJ, do MP e da Defensoria

STF manda inquéritos para Justiça Federal

AGORA É LEI: LINHAS TELEFÔNICAS DEVEM SER DESBLOQUEADAS EM ATÉ 24 HORAS APÓS PAGAMENTO

AGORA É LEI: SACOLAS PLÁSTICAS DESCARTÁVEIS SERÃO PROIBIDAS NO ESTADO

Prédio histórico no Centro de Campos ameaça desabar e trânsito é interditado nas imediações

Lula recorre contra decisão do TRF-4 que barrou recurso ao Supremo

Campos é a única cidade do Estado a ter autódromo

Brasil pode se tornar grande exportador de petróleo, diz executivo

Servidor público federal não pode ser gerente ou administrador de empresa privada

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas