Logo ASP

Notícias



Câmaras na luta pelo Repetro

Divulgação
Câmara de SJB

Câmara de SJB

As Câmaras de Vereadores de Campos e São João da Barra se colocam contra a limitação do Regime Aduaneiro Especial de Exportação e Importação (Repetro). Em Campos, o presidente da Casa, Marcão Gomes (Rede) convocou os vereadores a assinarem um documento contra a limitação. Nesta quarta-feira, em São João da Barra, os parlamentares também se mostraram preocupados com o impacto negativo para o Estado com a possível mudança, segundo ressaltou o presidente da Câmara, Aluizio Siqueira (PP). Nesta sexta, a questão será tema de reunião em Rio das Ostras, quando vereadores e deputados estaduais vão debater o assunto.


— A economia já fragilizada do estado do Rio de Janeiro está em risco e os municípios produtores de petróleo, como Campos, estão em iminência de sofrer graves prejuízos caso o alcance do Repetro seja restrito em território fluminense — explicou o vereador Marcão Gomes.


Ele ainda ressalta que, caso seja aprovado na Alerj o Projeto de Lei 3660/2017, que limita a Repetro, cerca de 100 mil empregos serão extintos.


Apoiando a iniciativa, a vereadora Josiane Morumbi (PRP) destacou que a restrição do benefício aduaneiro é uma ameaça a economia. “Hoje nosso estado começa a ter um respiro e a gente começa a ver a economia tendo uma reação, ainda que de forma tímida. Se esse projeto for aprovado, essas empresas que investem e acreditam em nosso estado irão migrar para outros”, afirmou. “É muito importante essa força que vai sair aqui do Legislativo”, finalizou.


Reunião — A possível restrição do regime de isenções fiscais à indústria do Petróleo, o Repetro, será tema de reunião com deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Rio nesta sexta, às 10h, em Rio das Ostras.


Criado pela União para estimular a indústria de óleo e gás, o Regime Aduaneiro Especial de Exportação e Importação (Repetro) isenta de ICMS as operações com bens ou mercadorias destinadas às atividades de pesquisa, exploração ou produção de petróleo e gás natural, beneficiando a indústria petrolífera. Em fevereiro, o governador Luiz Fernando Pezão publicou um decreto aderindo ao regime, que vai até o ano de 2040.


Na Alerj, foram apresentados o projeto de decreto legislativo 63/18, do deputado Luiz Paulo, e o projeto de lei 3660/17, de autoria do deputado André Ceciliano. O primeiro cancela o decreto do governador. O segundo limita o regime à fase de exploração.


Vereadores fazem requerimento à Alerj


Preocupados com o impacto negativo que poderá surgir para o Estado do Rio com a possível mudança no Repetro, os vereadores de São João da Barra requereram, na sessão desta quarta, à presidência da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que o Decreto do Executivo para regulamentar a adesão do Estado à Lei do Repetro seja votada em sua íntegra pelos deputados.


O presidente da Câmara, Aluizio Siqueira, informa que a Casa está preocupada porque tramita na Alerj, o projeto de lei 3660/2017, que pretende restringir o alcance desse regime fiscal, ferramenta importante para garantir investimentos na área de petróleo e gás, permitindo apenas a isenção de tributos para itens que não têm equivalentes produzidos no Brasil, como forma de proteger a indústria nacional dos importados.


A Petrobras anunciou planos de investimentos de R$ 10 bilhões na Bacia de Campos nos próximos anos. “Se isso não ocorrer, haverá uma repercussão muito negativa nos investimentos a serem realizados pelas empresas de óleo e gás em nosso estado, especialmente no que tange à geração de empregos e investimento no Porto do Açu, com a consequente diminuição de arrecadação de tributos”, explicou Aluizio.

-------------------------------------------------
folha1
http://www.folha1.com.br/_conteudo/2018/03/economia/1231966-camaras-na-luta-pelo-repetro.html

Mais Notícias

Estimativa para a inflação deste ano sobe para 4,28% e a do PIB cai para 1,35%

Importunação sexual vira crime com pena de até 5 anos de prisão

Postura notifica mais 70 proprietários para limpeza de imóveis

ARÁBIA SAUDITA TEM PRIMEIRA MULHER COMO ÂNCORA DE TELEJORNAL NOTURNO

Investimentos em novos negócios

SFI CONTRA O FECHAMENTO DO FÓRUM

Ministério Público impugna 749 candidaturas com base na Ficha Limpa

Advogados fazem ato em defesa das prerrogativas da classe

Toffoli diz que urna eletrônica é segura e defende a Lava Jato

Servidores públicos poderão reduzir jornada de trabalho

TSE autoriza apoio das forças federais em 41 municípios do Estado do Rio

Justiça nega pedido de teste de insanidade mental de agressor de Bolsonaro

Posturas faz nova notificação a donos de terrenos abandonados

Mais segurança na BR é pedida

TRF2 determina à PF condução coercitiva de Garotinho

Lei que estendia efeitos de ações judiciais a servidores é inconstitucional, reforça TJ-RJ

Justiça eleitoral afasta vereador de São Francisco de Itabapoana por 180 dias

Bombeiros concluem que Museu Nacional estava irregular quanto à segurança contra incêndio

TRF-2 mantém condenação e aumenta a pena de Garotinho por formação de quadrilha

Fogo no Museu pode ter sido causado por balão ou curto-circuito, diz ministro

Guarus Plaza Shopping: pedra fundamental é lançada nesta negunda

Seca do Paraíba é a mais longa em 85 anos

Ex-secretário de Saúde de Cabral, Sérgio Côrtes, volta a ser preso na Lava Jato

Agentes comunitários da saúde em protesto em frente à Câmara

INSS: lei garante salário-maternidade para homens em casos de adoção

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas