Logo ASP

Notícias



Após polêmica com proteção de dados pelo Facebook, especialistas apontam saídas a internautas

Christophe SIMON/AFP
Associação lançará ação coletiva na França contra o Facebook, aberta a usuários da Internet

Associação lançará ação coletiva na França contra o Facebook, aberta a usuários da Internet

Fechar sua conta, ser mais cauteloso sobre as autorizações dadas ao Facebook, acionar a Justiça - veja as opções dos usuários da rede social, após a revelação do caso Cambridge Analytica:


Fechar a conta


A primeira opção, a mais radical, à qual alguns internautas recorreram, incluindo um dos co-fundadores do aplicativo de mensagens WhatsApp comprado pelo Facebook: desconectar.


A operação, antes difícil, é agora relativamente fácil. O usuário deve clicar sobre o triângulo preto na parte superior da página, selecionar a guia "configurações", "gerenciar conta", então ir em "saber mais" sobre "desconexão", ou "desativação" (supressão) da conta.


A desconexão da conta permite retornar à sua conta intacta em caso de remorso, deixando uma presença mínima na Internet: "seu perfil será desativado e seu nome e fotos não serão mais exibidos na maioria de suas publicações", mas algum conteúdo como mensagens trocadas com amigos, permanecerão acessíveis a terceiros, explica o Facebook.


Opção mais radical: desativar, ou seja, excluir permanentemente sua conta. Esta opção deixa o usuário invisível no Facebook, mas "pode ​​ser necessário até 90 dias" para excluir tudo o que foi postado.


No entanto, algumas atividades do Facebook não armazenadas na conta pessoal do usuário "persistirão", como mensagens enviadas a um amigo, avisa o Facebook.


De acordo com especialistas em dados como Nathalie Devillier, da Grenoble School of Management, não se deve descartar a possibilidade de que o Facebook retenha dados de algumas pessoas, se houver um pedido das autoridades americanas para a Segurança Nacional.


Reforçar sua vigilância 


Outra opção é verificar suas configurações de privacidade e saber a extensão do conhecimento que o Facebook tem de sua vida pessoal, solicitando à plataforma que comunique todos os dados que possui.


Esta última tarefa é fácil e rápida. Você precisa clicar no pequeno triângulo preto na parte superior da página, na guia configurações e no link "Fazer o download dos seus dados". Após algumas verificações de identidade, os dados são enviados rapidamente na forma de um arquivo zip.


O arquivo permite ver as fotos, vídeos postados, mensagens trocadas com os amigos, aplicativos instalados, eventos "curtidos" e em que data, amigos apagados e em que data, anúncios em que você clicou.


>> Anunciantes britânicos ameaçam 'abandonar' Facebook


Nem sempre é fácil descriptografar. Por que uma página na guia "HTML" da pasta menciona "anunciantes com seus dados", enquanto o Facebook garante que não fornece a seus clientes informações que permitam uma identificação pessoal?


Sem pedir seus dados, a página https://www.facebook.com/about/privacy/ fornece uma riqueza de informações, infelizmente difíceis de analisar, sobre o uso de dados pelo Facebook.


A partir desta página, é possível agir sobre certos parâmetros de publicidade, através do parágrafo "difundir e avaliar propagandas e serviços", e da palavra-chave "controlar".


Por exemplo, decidir se o critério da situação amorosa pode ser usado para lhe enviar - ou não - um anúncio!


Processar o Facebook


Para alguns especialistas, como os da associação francesa para a defesa dos usuários de Internet Quadrature du Net, não se deve pedir aos usuários que se retirem do Facebook, muitas vezes útil, mas partir para a força jurídica.


"Devemos poder usar o serviço sem estarmos sujeitos a um monitoramento do Facebook", explica Arthur Messaud, do Quadrature du Net.


A associação lançará em breve uma ação coletiva na França contra o Facebook, aberta a usuários da Internet. Será baseada nas disposições do Regulamento Europeu de Proteção de Dados (GDPR), que entra em vigor em 25 de maio e altera o equilíbrio de poder em favor dos internautas, disse ele.


"Exigimos a pura aplicação da lei, isto é, que o consentimento dos internautas" ao uso de seus dados pelo Facebook e seus parceiros "não seja forçado", explicou.


O Facebook deve ser forçado, por exemplo, a pedir a seus usuários um acordo explícito para a exploração comercial de dados, estimou.


O Facebook também deve solicitar o consentimento explícito dos usuários antes de "filtrar e priorizar o conteúdo", ao qual eles têm acesso.


Nos Estados Unidos, os escritórios de advocacia americanos anunciaram que apresentaram ações coletivas.

-------------------------------------------------
jbonline
http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2018/03/22/apos-polemica-com-protecao-de-dados-pelo-facebook-especialistas-apontam-saidas-a-internautas/

Mais Notícias

Após visita da Polícia Federal, Câmara de Campos demite seguranças RPAs

TRF reafirma condenação de Garotinho, mas decisão do STF impede prisão

Fisiculturista é presa suspeita de atuar como fornecedora de drogas em Itaperuna

Mesa Diretora da Assembleia aceita pedido de impeachment de Pezão

Dodge diz que objetivo da prisão é descobrir como e onde Pezão ocultou propina

Alerj vai repassar R$ 100 milhões para ajudar Pezão a bancar o 13º salário dos servidores

Procuradora-geral da República se manifesta contra adiamento de reajuste de servidores federais para 2020

CPI do Fundecam com assinaturas

Senado avança em proposta que libera uso medicinal da maconha

Empresa que atua em Campos é investigada

MPF denuncia ex-presidente Lula por lavagem de dinheiro

Regras sobre teto salarial no serviço público devem ser votadas na Câmara nesta 3ª feira

Construtora se pronuncia sobre prédio de luxo evacuado em Campos

Futura primeira-dama diz que pretende atuar em todos os projetos sociais possíveis

Advogados vão à sede da OAB Campos para eleger nova chapa

Campos sedia grande evento da área do Direito

Bolsonaro diz a governadores que há medidas amargas, mas necessárias

Tudo pronto para Bienal do livro

Joaquim Levy aceita convite de Bolsonaro e vai presidir BNDES

Terpor de Macaé vai sair do papel

Morre o ex-presidente da Acic, Amaro Ribeiro Gomes, vítima de câncer

Governador do Rio exonera secretário de Governo e presidente do Detran presos pela PF

FABRICANTES DE ROUPAS PODEM TER QUE INCLUIR ETIQUETAS EM BRAILE EM SEUS PRODUTOS

Gasto com salários de magistrados do TJ-RJ vai subir R$ 43 milhões com reajuste do STF

Prefeitura e Câmara solicitam ao Exército auxílio para recuperar ponte em Macaé

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas