Logo ASP

Notícias



TSE abre debate sobre proibição de campanha em templos religiosos

A pouco mais de um mês das eleições, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) abre o debate sobre a possível punição de candidatos que se utilizam de espaços religiosos para campanhas políticas.


A cassação dos mandatos do deputado federal Franklin Roberto Souza (PP-MG) e do deputado estadual Márcio José Oliveira (PR-MG), confirmada pelo TSE, levantou a discussão sobre abuso do poder religioso, que não está previsto na legislação, mas é suscitado na esteira do abuso do poder econômico.


No julgamento dos parlamentares mineiros, o ministro Jorge Mussi citou a decisão de abril do ano passado, que proíbe campanha em eventos religiosos. Na ocasião, o relator foi ex-ministro Henrique Neves, que ressaltou que a liberdade religiosa não pode ser utilizada para fins políticos.


Diz a decisão de Henrique Neves que, "em nenhuma hipótese, a proteção constitucional à livre manifestação de crença e à liberdade religiosa permite que tais celebrações convertam-se em propaganda, seja mediante pedido de voto, distribuição de material de campanha, uso de sinais, símbolos, logotipos ou ainda manifestações contra ou a favor de candidatos".


Além de perder o mandato por abuso do poder econômico, praticado nas eleições de 2014, os dois deputados foram punidos com inelegibilidade por oito anos.


Os ministros determinaram a imediata execução da decisão, com o afastamento dos políticos cassados e a posse dos suplentes, sendo desnecessário aguardar o trânsito em julgado da decisão.


Exemplo


O TSE confirmou o julgamento do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), que condenou os deputados por terem participado de evento religioso da Igreja Mundial do Poder de Deus, na véspera do primeiro turno das eleições de 2014.


No evento, que reuniu cerca de 5 mil pessoas, o apóstolo Valdemiro Santiago, líder da igreja, pediu votos para os dois no microfone e em panfletos distribuídos.


Segundo a denúncia, o líder religioso pediu que cada fiel conseguisse “mais dez votos” para os candidatos. O deputado estadual é sobrinho do religioso. Para a presidente do TSE e relatora do processo, ministra Rosa Weber, os fatos relatados são de "enorme gravidade". O evento foi amplamente divulgado, durou cerca de quatro horas e teve shows artísticos.


O advogado Rodrigo Queiroga, da defesa dos dois deputados, disse que irá recorrer da decisão ao próprio TSE, com embargos de declaração, e, posteriormente, ao Supremo Tribunal Federal (STF), com recurso extraordinário. A ideia é conseguir descaracterizar o abuso de poder econômico para evitar que ambos sejam inelegíveis. Franklin registrou candidatura à reeleição, mas Márcio não. 

-------------------------------------------------
agenciabrasilonline
http://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2018-08/tse-abre-debate-sobre-proibicao-de-campanha-em-templos-religiosos

Mais Notícias

Estimativa para a inflação deste ano sobe para 4,28% e a do PIB cai para 1,35%

Importunação sexual vira crime com pena de até 5 anos de prisão

Postura notifica mais 70 proprietários para limpeza de imóveis

ARÁBIA SAUDITA TEM PRIMEIRA MULHER COMO ÂNCORA DE TELEJORNAL NOTURNO

Investimentos em novos negócios

SFI CONTRA O FECHAMENTO DO FÓRUM

Ministério Público impugna 749 candidaturas com base na Ficha Limpa

Advogados fazem ato em defesa das prerrogativas da classe

Toffoli diz que urna eletrônica é segura e defende a Lava Jato

Servidores públicos poderão reduzir jornada de trabalho

TSE autoriza apoio das forças federais em 41 municípios do Estado do Rio

Justiça nega pedido de teste de insanidade mental de agressor de Bolsonaro

Posturas faz nova notificação a donos de terrenos abandonados

Mais segurança na BR é pedida

TRF2 determina à PF condução coercitiva de Garotinho

Lei que estendia efeitos de ações judiciais a servidores é inconstitucional, reforça TJ-RJ

Justiça eleitoral afasta vereador de São Francisco de Itabapoana por 180 dias

Bombeiros concluem que Museu Nacional estava irregular quanto à segurança contra incêndio

TRF-2 mantém condenação e aumenta a pena de Garotinho por formação de quadrilha

Fogo no Museu pode ter sido causado por balão ou curto-circuito, diz ministro

Guarus Plaza Shopping: pedra fundamental é lançada nesta negunda

Seca do Paraíba é a mais longa em 85 anos

Ex-secretário de Saúde de Cabral, Sérgio Côrtes, volta a ser preso na Lava Jato

Agentes comunitários da saúde em protesto em frente à Câmara

INSS: lei garante salário-maternidade para homens em casos de adoção

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas