Logo ASP

Notícias



Will Shutter / Divulgação / Câmara dos Deputados
O deputado Rubens Bueno restringiu as verbas que poderão ultrapassar o teto constitucional

O deputado Rubens Bueno restringiu as verbas que poderão ultrapassar o teto constitucional

O projeto que regulamenta o teto salarial do funcionalismo público deverá ser analisado pela comissão especial da Câmara dos Deputados nesta terça-feira, dia 27. O objetivo é votar o parecer do relator, deputado Rubens Bueno (PPS-PR), que prevê detenção de dois a seis anos para o gestor público que autorizar o pagamento acima do teto e fora das exceções previstas pela Constituição e pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).


O teto remuneratório do serviço público corresponde ao subsídio pago a um ministro do Supremo Tribunal Federal, que atualmente é de R$ 33.763. No início de novembro, o Senado aprovou uma correção de 16% para os integrantes do STF, o que elevará o teto para R$ 39.200. A proposta ainda precisa ser sancionada pelo presidente Michel Temer.


Algumas categorias, hoje, recebem valor acima do total por incorporarem aos salários gratificações e outras verbas especiais.


Para criar regras sobre o assunto, o relator Rubens Bueno listou em seu parecer 24 verbas que não seriam consideradas para o teto, incluindo 13º salário, adicional de férias e auxílio-funeral, além de indenização de despesas relacionadas aos mandatos eletivos, aviso prévio e auxílio-alimentação.


Também ficariam de fora do teto a indenização de transporte para quem usa carro próprio no trabalho e a ajuda de custo para o militar que se aposenta.


Polêmica do auxílio-moradia


O texto do relator ainda estabelece um limite para o pagamento do auxílio-moradia aos servidores. Esse benefício acima do teto hoje é permitido, mas tem sido alvo de muita polêmica.


De acordo com o substitutivo de Bueno, o funcionário receberia o valor desde que estivesse no exercício de suas atribuições em uma localidade diferente de seu domicílio legal; não tivesse residido na localidade nos últimos 12 meses; não houvesse imóvel funcional disponível no local de trabalho; e o trabalhador não convivesse com uma pessoa residente em imóvel funcional ou que recebesse o mesmo pagamento.


Além disso, o relator propôs que, se o servidor tivesse direito ao auxílio-moradia em razão de mudança do local de residência, ele recebesse o benefício por apenas 12 meses.


Para quem vale o teto remuneratório


O teto remuneratório se aplica a todos os agentes públicos, de presidente da República aos vereadores, passando por juízes, procuradores, servidores civis e militares, funcionários de estatais e consórcios públicos, e até terceirizados do setor público. A regra abrange as três esferas administrativas (federal, estadual e municipal) e todos os poderes.


Segundo o relator, estabelecer um limite para as verbas que poderão ser pagas além do teto salarial deve gerar uma economia de R$ 2,3 bilhões.


A análise do projeto que regulamenta o teto salarial do funcionalismo na comissão especial deveria ter acontecido em outubro, mas foi adiada.

-------------------------------------------------
extraonline
https://extra.globo.com/emprego/servidor-publico/regras-sobre-teto-salarial-no-servico-publico-devem-ser-votadas-na-camara-nesta-3-feira-23260466.html

Mais Notícias

Explosão na CSN deixa cerca de 20 funcionários em observação após inalarem poeira tóxica

Educação faz protesto contra contingenciamento de verbas das federais

WhatsApp tem falha de segurança e hackers instalam programa espião

Secretaria de Saúde orienta população sobre atendimento em casos de chikungunya

Justiça decide que condomínios não podem proibir animais de estimação em casa

Sem acordo para reajuste salarial, servidores de Campos farão greve de 24h

Quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chikungunya

AGORA É LEI: OBRAS A SEREM REALIZADAS EM RODOVIAS ESTADUAIS DEVERÃO SER DIVULGADAS

Mariana terá R$ 12 mi anuais de mineradoras para saúde e assistência

Prefeitura divulga resultado preliminar da licitação do transporte público

O gestor da Nova Canabrava

Leilão do Jóquei é mantido pela Justiça Federal mas Vila Hípica fica de fora

Em depoimento ao MPF, candidata do PSL confirma que foi \\\'laranja\\\' a pedido de ministro

Prefeitura começa a demolir dois prédios vizinhos aos que desabaram na Muzema

Ação contra Bruno e Wladimir tem parecer

BR-101 terá operação especial nesta Páscoa e expectativa de mais de 515 mil veículos

Ex-presidente do Peru se suicida após receber ordem de prisão no caso Odebrecht

Governo do estado decreta ponto facultativo na véspera do feriado de São Jorge

Aprovação do projeto que liberava porte de armas para deputados e Degase é cancelada

José Maria Marin é banido do futebol e pagará multa de R$ 3,2 milhões

Ao menos duas pessoas morrem e quatro ficam feridas em desabamento de prédios na Muzema

PF faz operação contra esquema criminoso que superfaturava pedágios

AGORA É LEI: ESTADO DO RIO CRIA NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO

Depois das enchentes, Crivella libera R$ 86,9 milhões para obras

Empresa desiste de embargo e obras do Palácio da Cultura serão retomadas

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas