Logo ASP

Notícias



Jorge William / 16.10.2018
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu urgência ao STF na apreciação do assunto

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu urgência ao STF na apreciação do assunto

BRASÍLIA - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou nesta quinta-feira que aprisão preventiva do governador do Rio Luiz Fernando Pezão (MDB) tem o objetivo de localizar a propina recebida e ocultada por ele ao menos entre 2007 e 2015 e que há suspeitas de que o emedebista continua praticando o crime de lavagem de dinheiro desses recursos ilícitos. Os investigadores também apontaram que Pezão continuou recebendo propina mesmo depois de ter assumido o governo do Rio e que estão rastreando a possibilidade de existência de dinheiro no exterior ligado a ele.


 


Após a prisão de Pezão na manhã desta quinta, Dodge convocou a imprensa para um raro pronunciamento público - até hoje desde que assumiu a Procuradoria-Geral da República, ela nunca havia se pronunciado sobre um caso sob investigação. Justificou dizendo que a "gravidade" do caso demandava explicações à sociedade e afirmou que a investigação obteve "informações de práticas criminosas muito graves e que estavam em curso e que precisavam ser obstadas por um pedido de prisão preventiva".


 


- A lavagem de dinheiro consiste em ocultar ou dissimular onde o dinheiro desviado está. Isto, pelas informações reunidas nessas investigações, continua a ser feito. Como é um crime igualmente grave, porque se o dinheiro desviado pela corrupção continua na posse de quem o desviou, o patrimônio público terá dificuldade em ser recomposto. Em razão da organização criminosa estar atuando e de o crime de lavagem de dinheiro ainda estar em curso, sobretudo em razão das facilidade que têm ocupantes de cargos públicos de dissimular essa ocultação, entendemos que era o momento de apresentar ao Superior Tribunal de Justiça esse pedido de prisão preventiva - afirmou.


 


Dodge apontou que o pedido de bloqueio de R$ 39 milhões contra os alvos da operação, solicitado pela PGR e autorizado pelo STJ, tem o objetivo de permitir o retorno dos recursos públicos desviados.


 


- Esses detalhes do modo, o local e como está sendo feita a lavagem é inclusive parte do processo investigatório em curso e parte da necessidade que justifica o pedido de prisão preventiva. Descobrir onde esse dinheiro está, se ele está em espécie, depositado em contas no território brasileiro ou no exterior, nós estamos com essas medidas cautelares aprofundando essa investigação sobretudo para localizar essas verbas e requerer ao poder Judiciário que determine o retorno dessas verbas aos cofres públicos - disse a PGR.


 


Participaram também da entrevista coletiva o procurador Leonardo Cardoso de Freitas, da força-tarefa da Lava Jato no Rio, e a procuradora Raquel Branquinho, coordenadora de assuntos penais da PGR.


 


De acordo com o procurador Leonardo de Freitas, a propina paga a Pezão, que somou cerca de R$ 39 milhões em valores atualizados, teve origem principalmente em duas fontes: uma mesada operada pelo ex-secretário Carlos Miranda e paga a Pezão quando ele era vice-governador de Sérgio Cabral e repasses da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Rio (Fetranspor).


 


- A organização criminosa se reinventou, com uma sucessão de pessoas exatamente nos postos que levaram à prisão lá atrás desse primeiro time, nesse primeiro momento dessa organização. Assim, o senhor Sérgio Cabral foi sucedido pelo senhor Pezao. Senhor Wilson Carlos foi sucedido pelo Afonso Monnerat (secretário de Governo de Pezão), que já foi preso na Operação Furna da Onça. E por último Hudson Braga, secretário de obras, foi sucedido pelo José Iran (secretário de Obras de Pezão) e também preso na data de hoje - explicou o procurador.


Segundo o procurador, há provas nos autos de que Pezão continuou recebendo propina após assumir o governo do Rio, em 2014. Ele, porém, não deu detalhes sobre esses recebimentos.


Questionada sobre as razões de prender Pezão a poucas semanas do fim de seu governo, Branquinho afirmou que seguiram o ritmo natural da investigação e que a PGR não pode se pautar por calendários externos.


- A investigação tem seu ritmo também e nem sempre dá pra ficar se pautando com situações como final de mandato e começo de mandato - afirmou.


O procurador Leonardo de Freitas fez referência ainda a uma pergunta feita por jornalistas na ocasião da prisão do ex-governador Sérgio Cabral na Operação Calicute, em 17 de novembro de 2016, para justificar a operação.


Há cerca de dois anos, quando da prisão do senhor Sérgio Cabral na Operação Calicute, vocês me fizeram uma pergunta, que foi 'e o Pezao?'. Nós não esquecemos a pergunta de vocês e estamos aqui hoje pra responder a essa pergunta.

-------------------------------------------------
extraonline
https://extra.globo.com/noticias/rio/dodge-diz-que-objetivo-da-prisao-descobrir-como-onde-pezao-ocultou-propina-23268043.html

Mais Notícias

Explosão na CSN deixa cerca de 20 funcionários em observação após inalarem poeira tóxica

Educação faz protesto contra contingenciamento de verbas das federais

WhatsApp tem falha de segurança e hackers instalam programa espião

Secretaria de Saúde orienta população sobre atendimento em casos de chikungunya

Justiça decide que condomínios não podem proibir animais de estimação em casa

Sem acordo para reajuste salarial, servidores de Campos farão greve de 24h

Quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chikungunya

AGORA É LEI: OBRAS A SEREM REALIZADAS EM RODOVIAS ESTADUAIS DEVERÃO SER DIVULGADAS

Mariana terá R$ 12 mi anuais de mineradoras para saúde e assistência

Prefeitura divulga resultado preliminar da licitação do transporte público

O gestor da Nova Canabrava

Leilão do Jóquei é mantido pela Justiça Federal mas Vila Hípica fica de fora

Em depoimento ao MPF, candidata do PSL confirma que foi \\\'laranja\\\' a pedido de ministro

Prefeitura começa a demolir dois prédios vizinhos aos que desabaram na Muzema

Ação contra Bruno e Wladimir tem parecer

BR-101 terá operação especial nesta Páscoa e expectativa de mais de 515 mil veículos

Ex-presidente do Peru se suicida após receber ordem de prisão no caso Odebrecht

Governo do estado decreta ponto facultativo na véspera do feriado de São Jorge

Aprovação do projeto que liberava porte de armas para deputados e Degase é cancelada

José Maria Marin é banido do futebol e pagará multa de R$ 3,2 milhões

Ao menos duas pessoas morrem e quatro ficam feridas em desabamento de prédios na Muzema

PF faz operação contra esquema criminoso que superfaturava pedágios

AGORA É LEI: ESTADO DO RIO CRIA NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO

Depois das enchentes, Crivella libera R$ 86,9 milhões para obras

Empresa desiste de embargo e obras do Palácio da Cultura serão retomadas

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas