Logo ASP

Notícias



Witzel afirma que não retomará hospitais municipalizados: 'De jeito nenhum'

Gabriel Paiva / Agência O Globo
O prefeito Marcelo Crivella, o presidente do STF, Dias Toffoli, e o governador Wilson Witze

O prefeito Marcelo Crivella, o presidente do STF, Dias Toffoli, e o governador Wilson Witze

RIO — O governador Wilson Witzel afirmou que não vai retomar os hospitais Rocha Faria, Albert Schweitzer e Pedro II, municipalizados nos últimos anos. Essa hipótese foi mencionada pelo prefeito Marcelo Crivella como uma contrapartida para o estado assumir a administração do Sambódromo, hoje com a prefeitura. Os dois participaram do seminário Transparência e Combate à Corrupção, nessa segunda, no Museu do Amanhã, na Zona Portuária.


Após o painel de abertura do evento, ambos saíram sem falar com a imprensa. Crivella chegou a literalmente correr no saguão do museu. Já o governador deu uma resposta curta sobre a negociação de retomada do sambódromo, objetivo anunciado por ele ainda durante o carnaval. Na semana passada, ele afirmou que estava finalizando um documento de comunicação da decisão ao prefeito.


— Darei mais informações em breve — afirmou o governador.


Indagado, então, sobre a condição de retomar os hospitais municipalizados — O Rocha Faria e Albert Schweitzer foram municipalizados há três anos, o Pedro II há nove — , ele foi mais objetivo:


— De jeito nenhum.


Durante o painel, Crivella e Witzel fizeram breves discursos em que louvaram o combate à corrupção, com referências à Lava-Jato e às últimas eleições. O governador afirmou que assumiu um estado "destruído pela corrupção".


— Recebemos o Rio com R$8 bilhões de déficit fiscal, R$17 bilhões de restos a pagar de forma inconsequente e R$150 bilhões de dívidas com a União e bancos internacionais. Mas estamos trabalhando, cortamos 30% de todos os contratos e fizemos várias auditorias — disse Witzel.


O governador ainda prometeu apresentar projeto de "fortalecimento da Controladoria Geral do Estado" no prazo em que se completam 100 dias da gestão. Como já havia anunciado antes, o governador pretende aplicar um teste de integridade no funcionalismo público.


Ele também destacou o fim da Secretaria de Segurança Pública, com o objeto, segundo ele, de acabar com a interferência politica na Polícia Militar.


— Hoje, mais do que a corrupção, o que mais nos atinge é no tráfico de armas e a lavagem de dinheiro do crime organizado. Por isso precisamos de uma polícia preparada e aparelhada, incluindo a polícia judiciária, que precisava de um efetivo de 25 mil, mas só tem 9 mil.


Crivella disse que as últimas eleições "mostraram que o Rio não suporta mais corrupção". Ele afirmou orar a Deus para que não nos transformemos numa sociedade de barbárie e ódio e defendeu uma atenção às empresas acusadas de corrupção.


— Se tivermos que punir os empresários, que não se punam as empresas. Falo como engenheiro. Se não a atividade econômica é paralisada.

-------------------------------------------------
extraonline
https://extra.globo.com/noticias/rio/witzel-afirma-que-nao-retomara-hospitais-municipalizados-de-jeito-nenhum-23548293.html

Mais Notícias

Delaçãol envolve Garotinho

Estado: sem reajuste há cinco anos, servidores estão com defasagem salarial de 30%

Guedes critica recuos no parecer da reforma: "Podem abortar a nova Previdência"

STF adia votação de ação que pode fixar data-base para reajuste salarial de servidores

Previdência: abono do PIS/Pasep será concedido para quem ganha até R$ 1.300

Telegram é alvo de ciberataque DDoS; usuários do Brasil estão entre mais afetados

Após três casos de meningite e uma morte, presidários de Campos serão transferidos para Itaperuna

Lava Jato não é suscetível de qualquer retrocesso, diz Fachin

Senado faz campanha de combate a notícias falsas

Negócios da China

APROVADA REGULAMENTAÇÃO DE PATINETES ELÉTRICOS

Iphan já iniciou as obras no Asilo do Carmo

Judiciário lança painel de combate a notícias falsas

Supremo deve decidir nesta quinta-feira se servidor pode ter redução de salário

Caixa reduz juros dos financiamentos imobiliários

Tombamento do Canecão pode ser cancelado e casa voltar a sediar shows

Medida faz parte de plano apoiado pela ANP para baixa preço nas bombas e reduzir impacto do combustível no bolso do consumidor

"Clássicos para todos" nesta quarta-feira, no TB

Arquivo Público de Campos está entre os cinco melhores do país

Segunda fase da licitação do transporte alimentador acontece no Trianon

Número de mortes por acidente de trabalho volta a crescer no Brasil após cinco anos

Paulo Feijó é condenado a mais de 12 anos de prisão e terá que usar tornozeleira eletrônica

AGORA É LEI: NOTAS FISCAIS DEVERÃO DISCRIMINAR O VALOR DESTINADO AO FUNDO DE COMBATE À POBREZA

TSE começa a discutir aperfeiçoamento de normas para futuras eleições

Explosão na CSN deixa cerca de 20 funcionários em observação após inalarem poeira tóxica

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas