Logo ASP

Notícias



Carlos Grevi
Assembleia realizada nesta segunda-feira na sede do  Siprosep

Assembleia realizada nesta segunda-feira na sede do Siprosep

Os servidores públicos do município de Campos vão fazer uma paralisação de 24h no próximo dia 6. A categoria está em estado de greve desde esta segunda-feira (29), quando se reuniu na sede do Sindicato dos Profissionais e Servidores Públicos Municipais (Siprosep) para uma assembleia. O encontro foi marcado para que o funcionalismo discutisse a proposta de reajuste de 4,3%, feita pelo governo Rafael Diniz, e terminou sem acordo, já que a entidade espera um aumento de 10 a 15% para repor perdas salariais dos últimos três anos.


No dia 6, os servidores vão se reunir em frente à Prefeitura, a partir das 7h. Caso não haja cordo a respeito da correção dos vencimentos, a categoria promete greve geral.


De acordo com um dos diretores do Siprosep, Carlos Augusto Leão, os servidores não aceitam receber menos de 10% de reajuste. “Este é o valor mínimo, embora até tenhamos cogitado a média de 15% de aumento salarial já que as perdas foram grandes nos últimos anos e o aumento concedido não acompanhou a inflação e as perdas salariais. Estamos cogitando uma manifestação e até mesmo uma paralisação, caso o governo municipal insista em conceder apenas 4,3% de reajuste.


Para o presidente da Associação dos Guardas Civis Municipais de Campos dos Goytacazes (AGCMCG), Marlon Andrews, as perdas salariais por falta de reajuste, se somadas, chegariam a 22%. “É vergonhoso estarmos há três anos sem a equiparação e adequação dos salários em todas as categorias. Os guardas municipais concordam que o ideal seja 22% de reajuste. Isto repararia as nossas perdas desde 2016”, avalia.


Na assembleia realizada no Siprosep, muitos servidores se manifestaram com palavras de ordem contra o governo. A ideia é propor ao prefeito Rafael Diniz reajuste que acompanhe a inflação do período. A proposta será encaminhada ao chefe do Executivo ainda esta semana. Em 2018, nesta mesma época, a Prefeitura de Campos alegou não conceder aumento aos servidores por causa de orçamento comprometido em pagar dívidas da gestão anterior e por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal. Na ocasião, o governo alegou que a folha salarial dos servidores públicos não pode comprometer mais que 54% da arrecadação municipal, sendo estabelecido um limite prudencial de 51,3%.


Confira a nota da Prefeitura a respeito da situação dos servidores municipais:


“A Prefeitura de Campos fez vários cálculos para apresentar uma proposta de reajuste aos servidores, dentro da realidade econômica do município. Campos possui uma folha de pagamento do funcionalismo de R$ 79 milhões, o que compromete 47% da arrecadação própria do município. Um reajuste superior ao que está sendo oferecido (4,18%, de acordo com IPC-A) ultrapassa o limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Com o reajuste proposto pelo município, o impacto na folha de pagamento será de R$ 40 milhões, ao ano. Um reajuste de 15% causaria um impacto de R$ 150 milhões na folha de pagamento ao ano. O principal objetivo no momento é manter o pagamento do servidor em dia, como vem acontecendo graças ao planejamento realizado pela equipe econômica da prefeitura.


A prefeitura também vem lutando por outras conquistas para os servidores como a inauguração da Policlínica do Servidor, que atende o funcionalismo em várias especialidades médicas; está colocando em dia dívidas encontradas na Previdência dos Servidores do Município de Campos (PreviCampos) da ordem de R$ 180 milhões, que vêm sendo pagas pela atual gestão nos últimos dois anos, garantindo assim a aposentaria futura dos servidores e, também, criou outros benefícios, como o Clube de Descontos, entre outros. Nos últimos dois anos, a prefeitura vem mantendo diálogo com os servidores e, de forma transparente, apresentou os impactos que o município teve com a crise econômica e queda de arrecadação, tendo que manter o pagamento dos custos permanentes da prefeitura para manter o funcionamento de serviços essenciais. Paralelo a isso, busca alternativas para reduzir a dependência dos royalties e fomentar a economia, gerando emprego e renda.“

-------------------------------------------------
terceiraviaonline
https://www.jornalterceiravia.com.br/2019/04/29/servidores-e-prefeitura-nao-se-entendem-quanto-a-reajuste-salarial/

Mais Notícias

Explosão na CSN deixa cerca de 20 funcionários em observação após inalarem poeira tóxica

Educação faz protesto contra contingenciamento de verbas das federais

WhatsApp tem falha de segurança e hackers instalam programa espião

Secretaria de Saúde orienta população sobre atendimento em casos de chikungunya

Justiça decide que condomínios não podem proibir animais de estimação em casa

Quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chikungunya

AGORA É LEI: OBRAS A SEREM REALIZADAS EM RODOVIAS ESTADUAIS DEVERÃO SER DIVULGADAS

Mariana terá R$ 12 mi anuais de mineradoras para saúde e assistência

Prefeitura divulga resultado preliminar da licitação do transporte público

O gestor da Nova Canabrava

Leilão do Jóquei é mantido pela Justiça Federal mas Vila Hípica fica de fora

Em depoimento ao MPF, candidata do PSL confirma que foi \\\'laranja\\\' a pedido de ministro

Prefeitura começa a demolir dois prédios vizinhos aos que desabaram na Muzema

Ação contra Bruno e Wladimir tem parecer

BR-101 terá operação especial nesta Páscoa e expectativa de mais de 515 mil veículos

Ex-presidente do Peru se suicida após receber ordem de prisão no caso Odebrecht

Governo do estado decreta ponto facultativo na véspera do feriado de São Jorge

Aprovação do projeto que liberava porte de armas para deputados e Degase é cancelada

José Maria Marin é banido do futebol e pagará multa de R$ 3,2 milhões

Ao menos duas pessoas morrem e quatro ficam feridas em desabamento de prédios na Muzema

PF faz operação contra esquema criminoso que superfaturava pedágios

AGORA É LEI: ESTADO DO RIO CRIA NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO

Depois das enchentes, Crivella libera R$ 86,9 milhões para obras

Empresa desiste de embargo e obras do Palácio da Cultura serão retomadas

Governo federal diz que Prefeitura do Rio deixou de usar recursos do PAC para contenção de...

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas