Logo ASP

Notícias



Sem acordo para reajuste salarial, servidores de Campos farão greve de 24h

Carlos Grevi
Assembleia realizada nesta segunda-feira na sede do  Siprosep

Assembleia realizada nesta segunda-feira na sede do Siprosep

Os servidores públicos do município de Campos vão fazer uma paralisação de 24h no próximo dia 6. A categoria está em estado de greve desde esta segunda-feira (29), quando se reuniu na sede do Sindicato dos Profissionais e Servidores Públicos Municipais (Siprosep) para uma assembleia. O encontro foi marcado para que o funcionalismo discutisse a proposta de reajuste de 4,3%, feita pelo governo Rafael Diniz, e terminou sem acordo, já que a entidade espera um aumento de 10 a 15% para repor perdas salariais dos últimos três anos.


No dia 6, os servidores vão se reunir em frente à Prefeitura, a partir das 7h. Caso não haja cordo a respeito da correção dos vencimentos, a categoria promete greve geral.


De acordo com um dos diretores do Siprosep, Carlos Augusto Leão, os servidores não aceitam receber menos de 10% de reajuste. “Este é o valor mínimo, embora até tenhamos cogitado a média de 15% de aumento salarial já que as perdas foram grandes nos últimos anos e o aumento concedido não acompanhou a inflação e as perdas salariais. Estamos cogitando uma manifestação e até mesmo uma paralisação, caso o governo municipal insista em conceder apenas 4,3% de reajuste.


Para o presidente da Associação dos Guardas Civis Municipais de Campos dos Goytacazes (AGCMCG), Marlon Andrews, as perdas salariais por falta de reajuste, se somadas, chegariam a 22%. “É vergonhoso estarmos há três anos sem a equiparação e adequação dos salários em todas as categorias. Os guardas municipais concordam que o ideal seja 22% de reajuste. Isto repararia as nossas perdas desde 2016”, avalia.


Na assembleia realizada no Siprosep, muitos servidores se manifestaram com palavras de ordem contra o governo. A ideia é propor ao prefeito Rafael Diniz reajuste que acompanhe a inflação do período. A proposta será encaminhada ao chefe do Executivo ainda esta semana. Em 2018, nesta mesma época, a Prefeitura de Campos alegou não conceder aumento aos servidores por causa de orçamento comprometido em pagar dívidas da gestão anterior e por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal. Na ocasião, o governo alegou que a folha salarial dos servidores públicos não pode comprometer mais que 54% da arrecadação municipal, sendo estabelecido um limite prudencial de 51,3%.


Confira a nota da Prefeitura a respeito da situação dos servidores municipais:


“A Prefeitura de Campos fez vários cálculos para apresentar uma proposta de reajuste aos servidores, dentro da realidade econômica do município. Campos possui uma folha de pagamento do funcionalismo de R$ 79 milhões, o que compromete 47% da arrecadação própria do município. Um reajuste superior ao que está sendo oferecido (4,18%, de acordo com IPC-A) ultrapassa o limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Com o reajuste proposto pelo município, o impacto na folha de pagamento será de R$ 40 milhões, ao ano. Um reajuste de 15% causaria um impacto de R$ 150 milhões na folha de pagamento ao ano. O principal objetivo no momento é manter o pagamento do servidor em dia, como vem acontecendo graças ao planejamento realizado pela equipe econômica da prefeitura.


A prefeitura também vem lutando por outras conquistas para os servidores como a inauguração da Policlínica do Servidor, que atende o funcionalismo em várias especialidades médicas; está colocando em dia dívidas encontradas na Previdência dos Servidores do Município de Campos (PreviCampos) da ordem de R$ 180 milhões, que vêm sendo pagas pela atual gestão nos últimos dois anos, garantindo assim a aposentaria futura dos servidores e, também, criou outros benefícios, como o Clube de Descontos, entre outros. Nos últimos dois anos, a prefeitura vem mantendo diálogo com os servidores e, de forma transparente, apresentou os impactos que o município teve com a crise econômica e queda de arrecadação, tendo que manter o pagamento dos custos permanentes da prefeitura para manter o funcionamento de serviços essenciais. Paralelo a isso, busca alternativas para reduzir a dependência dos royalties e fomentar a economia, gerando emprego e renda.“

-------------------------------------------------
terceiraviaonline
https://www.jornalterceiravia.com.br/2019/04/29/servidores-e-prefeitura-nao-se-entendem-quanto-a-reajuste-salarial/

Mais Notícias

Juiz de Campos sofre processo administrativo disciplinar por demora na análise de processos

Debate abre nesta terça-feira as comemorações pelos 52 anos do Teatro de Bolso

Walmart Campos será reinaugurado nesta terça sob bandeira BIG

CCZ reforça ações contra o mosquito Aedes aegypti

Plano de saúde: operadora exclui de convênio dependentes acima de 25 anos

Imposto de Renda 2020: declaração poderá ser entregue a partir de 2 de março; confira

Frente fria vai deixar temperaturas mais baixas no carnaval

Vai trabalhar no carnaval? Confira os direitos trabalhistas

Governo do estado estabelece ponto facultativo no carnaval

AGORA É LEI: PROGRESSÃO FUNCIONAL DOS SERVIDORES DO JUDICIÁRIO SERÁ A CADA DOIS ANOS

Projeto do MP do Rio regulamenta afastamento de servidor para atuar em sindicato e associação

Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso Nacional

Agora é lei: empregado de órgão público do Rio que atende a população deve usar crachá

Presidente da Ancine é acusado de estelionato e falsidade ideológica

Festival de Vinhos acontece nesse fim de semana no Boulevard Shopping

Itaú Unibanco vai fechar 400 agências até o fim deste ano

Caixa reajusta preços das loterias; aposta mínima da Mega-Sena passará a R$ 4,50

Moro pede que PGR apure citação a Bolsonaro em caso Marielle

Flamengo x River: Chile cancela evento com Trump; tensão sobre final da Libertadores aumenta

Parque de diversões é interditado em Campos

Voos diários serão ampliados no aeroporto de Campos em 2020

AGORA É LEI: LICENÇA DE SERVIDOR QUE TIVER FILHO COM MICROCEFALIA SERÁ AMPLIADA

Torcedor do Flamengo que planejava invasão é preso dentro do Maracanã

Alerj decide soltar cinco deputados estaduais acusados de corrupção

Vazamento de óleo pode ter partido de navio irregular, diz Marinha

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas