Logo ASP

Notícias



Estado: sem reajuste há cinco anos, servidores estão com defasagem salarial de 30%

Ana Branco

O Estado do Rio está sob o Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que tem entre suas regras a proibição de aumento de vencimentos para os servidores públicos estaduais. A exceção a essa regra somente se aplicaria em caso de revisão anual para conceder a reposição salarial pela inflação, uma medida prevista pela Constituição Federal. O último reajuste para o funcionalismo estadual (dos três Poderes), porém, aconteceu há cinco anos, com leis aprovadas em junho de 2014, com correções pagas de forma parcelada, nos anos seguintes.


A inflação acumulada desses cinco anos é de mais 30%, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país. Em nota, a assessoria da Casa Civil informou que o governo não considera nenhum reajuste no momento, devido ao déficit financeiro do estado. “O objetivo é manter os salários em dia e o custeio da máquina”, afirmou.


Segundo Bruno Sobral, economista e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), o servidor estadual perdeu o equivalente a 14 meses de salário em termos de poder aquisitivo e já deixou de receber 32% da sua renda.


— A Constituição diz que não é um aumento de salário e, sim, uma reposição de perdas. Então, é preciso pensar que, se o servidor está perdendo poder aquisitivo, está gerando uma cadeia de recessão, porque ele vai consumir menos do que consumia. Em geral, o gestor público pensa que funcionalismo é despesa, mas é preciso analisar que a economia tem efeito multiplicador. Ao repor o salário, o governo não está dando ganho. Está impedindo a perda do poder de compra — disse o economista.


Reposição salarial é direito reconhecido


Especialista em Direito Administrativo, o advogado Carlos Herique Jund lembra que a Constituição Federal criou a regra da reposição salarial por conta do período em que o Brasil tinha inflação alta. Para ele, a falta de regras estaduais não deve impedir a recomposição:


— Os gestores públicos defendem que o reajuste não é feito porque por não há regulamentação sobre o tema, mas isso independe de regra, porque o direito já é reconhecido. O conselho do Regime de Recuperação Fiscal disse que, em 2018, o Estado economizou R$ 4 bilhões. Então, acredito que, com mais corte de gastos desnecessários, será possível majorar os salários.


Jund é autor de ação na Justiça que garantiu, em 2017, o arresto das contas do governo estadual para pagar os salários atrasados. O advogado conta que, diante da falta de perspectiva para um reajuste, os trabalhadores tendem a recorrer ao Judiciário para garantir seus direitos:


— O posicionamento (do Judiciário) é o de que o servidor não poderia intervir na administração pública e pedir aumento. Mas isso é perda salarial, que mexe no princípio de irredutibilidade de vencimentos, porque os salários têm redução real monetária, e o trabalhador deixa de manter o padrão de vida.


Regras do adicional de insalubridade não são cumpridas


Alguns servidores têm direito ao adicional de insalubridade. A legislação estadual de 2014 estabeleceu o pagamento de valores entre R$ 73 e R$ 292 para os graus mínimo, médio e máximo de exposição a risco no trabalho, que seriam pagos após perícias técnicas feitas nos locais de trabalho. Mas os exames não ocorreram e o Estado paga a trabalhadores da Saúde e da Administração Penitenciária um fixo de R$ 100. O governo não explicou porque as perícias não foram feitas.

-------------------------------------------------
extraonline
https://extra.globo.com/

Mais Notícias

Projeto do MP do Rio regulamenta afastamento de servidor para atuar em sindicato e associação

Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso Nacional

Agora é lei: empregado de órgão público do Rio que atende a população deve usar crachá

Presidente da Ancine é acusado de estelionato e falsidade ideológica

Festival de Vinhos acontece nesse fim de semana no Boulevard Shopping

Itaú Unibanco vai fechar 400 agências até o fim deste ano

Caixa reajusta preços das loterias; aposta mínima da Mega-Sena passará a R$ 4,50

Moro pede que PGR apure citação a Bolsonaro em caso Marielle

Flamengo x River: Chile cancela evento com Trump; tensão sobre final da Libertadores aumenta

Parque de diversões é interditado em Campos

Voos diários serão ampliados no aeroporto de Campos em 2020

AGORA É LEI: LICENÇA DE SERVIDOR QUE TIVER FILHO COM MICROCEFALIA SERÁ AMPLIADA

Torcedor do Flamengo que planejava invasão é preso dentro do Maracanã

Alerj decide soltar cinco deputados estaduais acusados de corrupção

Vazamento de óleo pode ter partido de navio irregular, diz Marinha

AGORA É LEI: CARTÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA É INSTITUÍDO NO RIO

Relógio histórico do Largo da Carioca é restaurado e recupera badalada musical

Governo defende que auxílio-doença do INSS seja pago por empresas; entenda

Juiz Ralph Manhães questiona possível redistribuição dos royalties

Alerj vota no dia 29 projeto sobre progressão funcional de servidores do Judiciário

Campanha de doação de medula mobiliza pessoas na corrida Federal kids

CNJ começa a julgar Glaucenir por áudio sobre Gilmar Mendes

Caso Marielle: Réu criou empresa na região do crime em área da prefeitura...

Pós-Graduação da UENF tem inscrições abertas a partir desta segunda

AGORA É LEI: ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES TERÃO QUE CADASTRAR OS RESPONSÁVEIS POR RETIRAR ALUNOS

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas