Logo ASP

Saúde



Senado dará prioridade ao combate da tríplice epidemia, afirma Renan

O reconhecimento de que o Brasil vive uma das mais graves situações de saúde pública, com a tríplice epidemia — dengue, chicungunha e zika — e uma síndrome como a microcefalia, marcou a 15º sessão de debates temática, realizada nesta quinta-feira (25) no Plenário do Senado.  Na abertura da sessão, o presidente do Senado, Renan Calheiros, assegurou prioridade a qualquer providência legislativa necessária para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor das três doenças.


O vice-presidente da Fiocruz, Valcler Rangel Fernandes, afirmou que a microcefalia está sendo tratada como uma síndrome de zika congênita, "porque outras manifestações também passam a surgir e não podem ser surpresas para nós". Segundo ele, hoje há mais perguntas do que certezas sobre a epidemia.


O modo como o vírus zika contamina as pessoas, atingindo fetos, gerou uma mobilização nunca antes vista no país, conforme o vice-presidente da Fiocruz. Para ele, o Brasil tem grande condição de enfrentar esse desafio, desde que todos estejam numa lógica de trabalho conjunto.


Esforço conjunto


O apelo por um esforço conjunto para enfrentar o problema marcou também os pronunciamentos das senadoras Ana Amélia (PP-RS) e Fátima Bezerra (PT-RN). Ana Amélia lastimou o baixo comprometimento do brasileiro com ações perenes capazes de resolver problemas coletivos enfrentados pela população.


Segundo Ana Amélia, o desleixo da população com o gasto de energia, após se empenhar na redução do consumo no apagão dos anos 1990, repete-se agora no combate ao mosquito da dengue. De acordo com a senadora, enfrentar o mosquito é uma obrigação de todos, diante do perigo que pode estar num vaso de flores ou numa piscina abandonada.


Fátima Bezerra destacou a importância da união entre o poder público e a sociedade na luta contra o Aedes aegypti. A senadora elogiou as campanhas de conscientização organizadas pelo governo federal, com mobilização de outros níveis de governo, efetivos das Forças Armadas e agentes de saúde.


— Agora, não adianta se a sociedade não aderir, de corpo e alma, essa luta. A sociedade tem que estar convencida disso — frisou.


Saneamento


A relação entre o crescimento da tríplice epidemia e a falta de saneamento básico para grande parcela da população foi estabelecida pelos senadores José Serra (PSDB-SP) e Ronaldo Caiado (DEM-GO). Serra lamentou a interrupção de um programa de saneamento básico que era executado por meio da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), na época do presidente Fernando Henrique Cardoso.


— A Funasa tem que voltar ao que quase chegou a ser: uma empresa, uma fundação, uma instituição voltada a endemias e comandando investimentos críticos na área de saneamento — afirmou.


Para Caiado, a redução de investimentos em saneamento e a diminuição de repasses orçamentários para as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti mostram o quanto foi facilitada a vida do mosquito no país nos últimos dois anos.


Em resposta aos senadores, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, considerou os investimentos em saneamento básico essenciais para evitar a proliferação do Aedes. Ele fez questão, contudo, de mostrar que a presidente Dilma Rousseff, em cinco anos de governo, investiu mais que seus antecessores. Segundo ele, foram R$ 53 bilhões, contra R$ 44,1 bilhões nos oito anos do presidente Lula e R$ 20,63 bilhões em igual período de Fernando Henrique Cardoso.


A obstetra Adriana Melo, de Campina Grande (PB), a primeira a estabelecer a relação entre o vírus zika e a má formação do cérebro das crianças afetadas, disse que “essa tragédia despertou outra: a da pobreza, das condições sanitárias”.


— A população mais pobre é a mais atingida e tem sido muito difícil lidar com essa situação — disse a médica, que considerou tensas as sextas-feiras, quando são realizados, no hospital onde trabalha, os exames que detectam se os bebês são normais ou não.


Vacina


O ministro da Saúde manifestou a esperança de que “uma vacina revolucionária” contra a dengue resulte da parceria entre o Instituto Butantã e o National Institutes of Health (NIH). Segundo ele, a mesma plataforma de pesquisa deverá servir para o desenvolvimento da vacina contra o vírus zika.


Entretanto, a diretora médica da América Latina do Sanofi Pasteur, Lúcia Bricks, afirmou que o desenvolvimento da vacina contra o vírus não será tão rápido como todos gostariam. Segundo ela, a média de tempo para desenvolver uma vacina é de dez anos. Depois, há um prazo para registro e fabricação.


A médica lembrou que a Anvisa autorizou recentemente uma vacina contra a dengue, que tem eficácia na faixa etária de 9 a 45 anos, após estudos que começaram em 1994. O Sanofi Pasteur é um dos 15 laboratórios envolvidos atualmente na busca de uma vacina contra o zika.


Ronaldo Caiado perguntou ao ministro da Saúde por que a vacina do Sanofi Pasteur contra a dengue não pode ser distribuída para a população brasileira. O ministro respondeu que essa vacina não foi liberada para crianças abaixo de 10 anos, nem para pessoas com mais de 45 anos, "exatamente a faixa que seria elegível, porque aqui estão os casos mais graves de dengue".


Além disso, Castro argumentou que uma vacina em três doses, como a do Sanofi Pasteur, tem um custo elevado. O ideal, acrescentou, é que fosse uma única dose.


Repelente


A senadora Vanessa Graziottin (PCdoB-AM) dirigiu-se diretamente ao ministro da Saúde e solicitou a adoção de políticas públicas que facilitem o acesso dos mais pobres a repelentes. Vanessa sugeriu ao governo o estabelecimento de parcerias público-privadas (PPPs) com os laboratórios estrangeiros que fabricam os princípios ativos desses produtos.


Vanessa elogiou o ministério por colocar repelentes à disposição das gestantes beneficiárias do Bolsa-Família, e defendeu o aprofundamento dessa prática.


— Fundamental é baratear o acesso, pois nem todos os carentes de nosso país estão no Bolsa-Família — advertiu.

-------------------------------------------------
agenciasenado
http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/02/25/senado-dara-prioridade-ao-combate-da-triplice-epidemia-afirma-renan

Mais Notícias

Fabricantes de cigarro dos EUA começam a veicular alertas contra o fumo

Cerca de 205 milhões de mulheres têm diabetes no mundo, alerta OMS

Uma má notícia para os amantes da cafeína

No Dia Mundial da Higienização das Mãos, organizações alertam...

Academia Nacional de Medicina debate saúde dos rins e cirurgia bariátrica

Fiocruz e universidade dos EUA estudam reações graves à vacina da febre amarela

Endocrinologista dá dicas para curtir o carnaval sem exageros

Frutos do mar estão entre os alimentos que mais causam alergias

Especialistas indicam homeopatia para eliminar a ansiedade

Atrizes posam de topless para o Outubro Rosa: ‘Perdi o amor da minha vida para o câncer’, diz Isis Valverde

Campanha para atualizar vacinação de crianças e adolescentes começa dia 19

Paraná lança primeira campanha do país de vacinação contra dengue

Dores nas costas atingem 27 milhões de brasileiros

Teste de alergia traz diagnóstico preciso em 65 minutos

Butantan fecha parceria com os EUA para produção de vacina contra o Zika

Secador de mãos espalha mais micro-organismos que papel

Começa a campanha contra a febre aftosa no Rio de Janeiro

Como evitar que os sintomas da TPM interfiram na vida pessoal e profissional

Veja como funcionam os suplementos para queimar gordura

Excesso de sono durante o dia pode ser sinal de alerta

Academia Nacional de Medicina divulga como os alimentos podem afetar a Saúde Renal

Trauma como doença do século é discutido na Academia Nacional de Medicina

Descongestionante nasal: conheça os riscos envolvidos no uso

Aspirina é eficaz na prevenção de tumores, sugere pesquisa

Síndrome associada ao zika que provoca paralisia explode no Rio

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas